Federação dos Trabalhadores na agricultura no Rio Grande do Sul

Informativo

INFORMATIVO N° 1.389

Informativo Fetag e Sindicatos dos Trabalhadores Rurais. Um programa da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul e dos 319 Sindicatos filiados. Transmitido em todo o Estado com informações para o trabalhador e a trabalhadora rural.
 

 

A FETAG-RS TAMBÉM ESTÁ NO INSTAGRAM

Siga nosso perfil e fique atento a tudo o que acontece no Movimento Sindical Gaúcho! E não esqueça que todas as notícias também estão em nossa Página oficial no Facebook

 

 

 

Plenária Estadual da CONTAG é realizada em Porto Alegre

 
Na última terça-feira (8), a sede da Federação Estadual dos Trabalhadores na Agricultura (FETAG-RS) recebeu evento de preparação para a 5ª Plenária Nacional de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG).

A Plenária Estadual da CONTAG está sendo realizada em todos os estados brasileiros, visando a elaboração das pautas que serão levadas para a Plenária Nacional, que será realizada em Brasília nos dias 28 e 29 de novembro. Os eventos estaduais estão organizando as pautas que serão debatidas na capital federal.

 
Na reunião, 4 delegados de cada uma das 23 regionais sindicais estiveram presentes, participando de discussões e de atividades que formularam as pautas consideradas como fundamentais para seguirem sendo motivo de lutas por parte da CONTAG.

 
Presente no evento, o presidente da CONTAG, Aristides Santos, falou sobre a conjuntura política atual do Brasil, citando a redução de direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e as decisões econômicas que estão sendo tomadas pelo governo. “Lutamos muito durante a aprovação da reforma da previdência para manter nossos direitos”. Ainda de acordo com Aristides, outras lutas ainda virão, como na Reforma Tributária e na Reforma Sindical, “que poderão ser prejudiciais”.   

Ao abrir o evento, o presidente da FETAG-RS, Carlos Joel da Silva, parabenizou a CONTAG pelo trabalho realizado na articulação contra a retirada de direitos pela reforma da previdência, além de fazer um breve relato sobre a difícil situação econômica do Rio Grande do Sul. “Nosso Estado está passando por dificuldades financeiras, sem dinheiro para programas importantes que afetam diretamente a agricultura familiar. Educação e saúde também carecem de investimentos”. Joel também lembrou dos problemas nas cadeias do leite e do arroz, que passam por grandes dificuldades, e do fechamento de acessos secundários em rodovias cuja administração foi entregue para a iniciativa privada. 

Questões relacionadas a comunicação e divulgação dos atos do movimento sindical, educação no campo, crédito rural e formação de dirigentes sindicais foram citadas pelos participantes.                      

 

 

 

 

RS comemora Dia Estadual do Aposentado e da Aposentada Rural

 
O último sábado, 5 de outubro, marcou uma importante data dentro do movimento sindical. O dia Estadual do Aposentado e da Aposentada Rural foi instituído através de lei no ano de 2003, e marca também a promulgação da Constituição de 1988, que garantiu aos agricultores e agricultoras o direito a aposentadoria rural.

 
A FETAG-RS entende que os aposentados e as aposentadas rurais fazem parte de um importante elo dentro do movimento sindical, pois representam uma grande parte da população rural, que já contribuiu, e muito, para que a agricultura familiar chegasse ao patamar atual, em que é responsável por grande parte de tudo o que é produzido pelo setor primário.

 
De acordo com Elisete Hintz, diretora da FETAG-RS e coordenadora estadual de aposentados, “o dia reconhece uma categoria que já fez muito e que continua fazendo pela agricultura familiar. Mesmo depois de aposentados, muitos não param de trabalhar e seguem produzindo, enfrentando todos os desafios que a agricultura e a pecuária oferecem”.

 
Para o presidente da FETAG-RS, Carlos Joel da Silva, “a federação valoriza os aposentados de hoje, pensando nos aposentados de amanhã. Seguiremos lutando pelos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras rurais na reforma da previdência, que está agora em discussão no Senado”.

 

 

 

RS deve produzir 2,2 milhões de toneladas de Trigo 

 
Um dos principais produtos agrícolas do Rio Grande do Sul, o trigo teve sua colheita aberta oficialmente no último final de semana, em Cruz Alta. Para a safra atual, de acordo com dados da EMATER, as perspectivas para os produtores gaúchos são boas. 
No total, o Estado plantou 739,4 mil hectares, um aumento de 4,12% em relação ao ano passado. Quanto a produtividade, ela deverá atingir 1.620.894 toneladas do cereal. O Rio Grande do Sul é o segundo maior produtor de trigo do Brasil, ficando atrás apenas do Paraná. 

 
Boletim semanal da Emater aponta que o preço médio da saca de trigo (60kg) é de R$41,50/sc., valor 0,12% superior ao da semana anterior, A empresa também divulgou valores em algumas regiões do Estado.

 
Regional de Ijuí: entre R$ 41,00 e R$ 43,00/sc. e foi comercializado no disponível a R$ 52,00 em Cruz Alta. Na região de Santa Rosa, o preço médio pago aos produtores se manteve em relação à semana anterior, em média R$40,12/sc. Na região de Caxias do Sul, o trigo foi comercializado a R$42,00/sc. para pH 78. Em Erechim, o preço médio recebido foi de R$ 41,00/sc. 

 
O preço mínimo para o trigo em grão tipo 1 (pão) com pH 78, safra 2019-2020 para a região Suldo Brasil é de R$ 40,57/sc., estabelecido pela Portaria nº 31, de 11/03/2019.

 

 

 

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL É REAJUSTADA


A Contribuição Sindical dos(as) Agricultores(as) Familiares é realizada para o Sistema Confederativo – CONTAG – FETAG e Sindicato dos Trabalhadores Rurais. Ela é devida por toda a categoria, trabalhadores(as) ou empregados(as). Ou seja, todos aqueles que são trabalhadores rurais e não possuem empregados e exercem a atividade rural, individualmente ou em regime de economia familiar, sendo proprietário, arrendatário, parceiro, meeiro ou comodatário.


Para a tesoureira-geral da FETAG-RS, Elisete Hintz, a Contribuição Sindical é uma das formas de manter o Movimento Sindical atuante, forte e em constante luta para assegurar o direito dos agricultores familiares. Elisete reitera que embora a Contribuição seja facultativa, é uma obrigação dos agricultores(as), pois quando da conquista de um benefício para a classe todos recebem as melhorias.


O valor da Contribuição Sindical da Agricultura Familiar referente ao exercício 2019 é de R$ 34,00 (trinta e quatro reais) por membro do grupo familiar.